Click here to edit title

Programa Interunidades de Pós-Graduação

Projetos de pesquisa do programa

O programa possui oito projetos de pesquisa interdisciplinares, sendo sete distribuídos nas três linhas de pesquisa do programa e um projeto transversal. Todos os projetos envolvem docentes de áreas de formação distintas e interagem entre si.


Os projetos de pesquisa do programa estão concentrados na abordagem dos problemas ambientais principalmente das bacias hidrográficas da Região Metropolitana de São Paulo e da zona costeira da Baixada Santista e das bacias atmosféricas relacionadas a elas.


A escolha do recorte geográfico das bacias hidrográficas compatibiliza a escala espacial e temporal de estudo do PPGAAI com as das organizações públicas ambientais, por exemplo, que as adotam como unidades de gerenciamento ambiental integrado. Assim, os resultados dos projetos executados no PPGAAI deverão contribuir para atender às demandas da sociedade relacionadas à prevenção, mitigação e eliminação dos impactos ambientais.

1. Dimensões humanas e sociais da sustentabilidade

2. Processos microbianos, químicos e de transporte em solos e águas

Docentes envolvidos: Andrea Rabinovici, Claudio Leite, Cristina Nakayama, Décio Semensatto, Giovano Candiani, Luciana Farias, Rosangela Costa, Simone Miraglia, Zysman Neiman


Este projeto abrange estudos que envolvem a sustentabilidade em suas várias dimensões, a partir de aportes das Ciências Humanas e Sociais. Os trabalhos desenvolvidos dentro desta concepção contribuem para gerar informações capazes de subsidiar discussões acerca da implantação de sociedades sustentáveis, por meio da Educação Ambiental, do melhor entendimento e da transformação da percepção, atitudes e valores; bem como a formulação de políticas públicas que visam promover melhoria na qualidade ambiental e de vida de populações humanas. A abordagem do elemento humano – que causa e é afetado, mas também possui a capacidade de desenvolver novas perspectivas e soluções para os diversos tipos de degradação ambiental em curso – é essencial para gerar conhecimento capaz de relacionar e integrar os diversos compartimentos ambientais, contribuindo diretamente para análises ambientais integradas, escopo deste Programa de Pós-Graduação, e para desenvolver, entre seus estudantes, o pensamento sistêmico em relação às questões ambientais, fundamental para os esforços voltados para a busca de soluções na área ambiental. Nesse sentido, este projeto possui potencial de interagir e trocar conhecimentos com outros projetos do Programa, como “Abordagens sustentáveis para remediação e tratamento ambiental”, reforçando seu caráter integrador.

Docentes envolvidos: Cláudio Leite, Cristina Nakayama, Cristina Nordi, Juliana Freitas, Mirian Shinzato, Sheila Furquim


Diversos processos atuam no ambiente de forma interdependente. Esses processos dependem das características do meio e determinam o comportamento e transporte das substâncias nos diversos compartimentos ambientais e entre eles. Este projeto reúne pesquisas que visam avaliar os processos microbianos, químicos e físicos associados ao transporte de substâncias como compostos organoclorados, hidrocarbonetos, metais e metano, e as relações entre esses processos, tanto em ambientes naturais como nos que sofreram influência antrópica. Os processos são avaliados por meio da análise integrada de variáveis (características físico-químicas das matrizes ambientais e compostos de interesse, propriedades hidrogeológicas de solos e águas subterrâneas, diversidade microbiana taxonômica e funcional, determinação de fluxos entre compartimentos), permitindo descrever o comportamento biogeoquímico e a mobilidade de substâncias em função de interações entre os compostos e o ambiente e da influência da atividade biológica associada aos compostos ou como modificadores das características ambientais. Esses estudos contribuem para avaliação de riscos associados a alterações na toxicidade dos compostos, para o planejamento e implementação de estratégias de remediação em áreas contaminadas e para o entendimento de fatores que contribuem para a distribuição dos compostos entre diferentes compartimentos e impactos associados.

3. Interações entre atmosfera, emissões antrópicas e perturbações ambientais

4. Mapeamento integrado de dados socioambientais de bacias hidrográficas 

Docentes envolvidos: Ana Luisa Bitencourt, Anita Drumond, Fábio Lopes, Luciana Rizzo, Nilton Rosário, Simone Miraglia, Theotônio Pauliquevis


Considerando os cinco compartimentos do Sistema Climático Terrestre (Biosfera, Litosfera, Criosfera, Hidrosfera e Atmosfera), o compartimento atmosférico é o que contém a menor massa mas cujos entes constitutivos possuem tempo de residência mais curto, de modo que a atmosfera responde rapidamente a perturbações externas. A atmosfera, responsável por diversos processos que mantém a vida no planeta vem apresentando alterações em seu estado natural de maneira mais intensa desde a Revolução Industrial. As emissões antrópicas de gases e aerossóis das mais diversas origens, além das mudanças de uso do solo associadas à expansão de áreas agrícolas e urbanização, vem alterando a constituição e a dinâmica da atmosfera, impactando o sistema climático. Além do conhecido aumento da temperatura média planetária, também a frequência e intensidade de chuvas e períodos de seca, entre outros fatores, têm sido fartamente observados, documentados, e atribuídos pela comunidade científica às perturbações decorrentes das emissões antrópicas de gases e aerossóis. Além dos impactos no clima, as emissões antrópicas influenciam negativamente a qualidade do ar, com impactos na saúde humana, ecossistemas e agricultura. Este projeto contempla a investigação das alterações sofridas pela atmosfera e clima, em diversas escalas espaciais e temporais. Assim, estudos observacionais in situ, observações com sensoriamento remoto (tanto em superfície como orbitais), análise de bases de dados públicas, e estudos de modelagem computacional são englobados neste projeto. O objetivo é descrever mudanças quantificar o impacto na meteorologia, no clima, nos ciclos biogeoquímicos, no balanço radiativo (local, regional e global) e na qualidade do ar, causadas por emissões de gases e aerossóis, diferenciando assim efeitos naturais daqueles devidos à ação humana.

Docentes envolvidosAna Luisa Bitencourt, Cláudio Leite, Cristina Nordi, Elisa Vieira, Nilton Rosário, Sheila Furquim


Na concepção da proposta do Programa de Pós-Graduação em Análise Ambiental Integrada (PPGAAI), o projeto intitulado “Mapeamento integrado de dados socioambientais de bacias hidrográficas” constitui um projeto “guarda-chuva” para a linha de pesquisa Avaliação, Prognóstico e Diagnóstico Ambiental, possuindo integração com as demais linhas de pesquisas do programa. Objetiva a utilização de métodos e técnicas interdisciplinares, incluindo as geotecnologias, para identificar, caracterizar e mapear padrões espaciais e temporais dos componentes naturais e antrópicos, bem como os seus respectivos efeitos no contexto das bacias hidrográficas. Também está incluso na concepção do projeto, a avaliação de recursos hídricos superficiais e subterrâneos, cujos dados servirão de subsídios para implementação de políticas públicas socioambientais. Estudos de séries históricas, contemporâneas e previsões embasadas em um conjunto temporal de dados sobre a qualidade ambiental das bacias hidrográficas, vislumbram o desenvolvimento de novas abordagens e a aplicação de modelos para o desenvolvimento sustentável.

5. Desenvolvimento de métodos analíticos visando a determinação de contaminantes emergentes em amostras ambientais 

6. Desenvolvimento e aplicação de bioindicadores na qualidade ambiental

Docentes envolvidosCamilo Seabra, Décio Semensatto, Erica Silva, Georgia Araújo, Heron Silva, Maria de Lourdes Moraes, Rodrigo Choueri


Contaminantes emergentes são compostos químicos que apresentam potencial de causar efeitos adversos ao meio ambiente e aos seres humanos.  Produtos de higiene pessoal, repelentes, medicamentos, inseticidas, entre outros, fazem parte destes contaminantes. Os contaminantes emergentes ainda não estão incluídos em normativas ou legislações de controle ambiental. A ausência de limites máximos permitidos e a falta de técnicas analíticas e métodos de remoção mais acessíveis, limitam o monitoramento desses contaminantes pelas agências ambientais brasileiras. Nesse ínterim, o projeto “Desenvolvimento de métodos analíticos visando a determinação de contaminantes emergentes em amostras ambientais” objetiva o desenvolvimento de métodos de análise validados para identificação e quantificação de fármacos, hormônios, pesticidas e metais em amostras ambientais, estratégias de remoção utilizando novos materiais adsorventes, o estudo da ocorrência destes contaminantes, disposição adequada e logística reversa, visando contribuir com as agencias ambientais brasileiras e com os programas de políticas públicas.

Docentes envolvidosCamilo Seabra, Cristina Nordi, Décio Semensatto, Elisa Vieira, Juliana Azevedo, Leonardo Yokoyama, Mauricio Talebi, Rodrigo Choueri


A urbanização é um processo intrínseco no desenvolvimento humano e com ele tem-se muitas vantagens, mas também desvantagens. Dentre os pontos negativos do processo de urbanização está a degradação de ambientes naturais, sejam eles no continente ou na região costeira. A construção de estruturas artificiais, a poluição e a ocupação desordenada são alguns dos fatores que impactam os diferentes ecossistemas. Neste cenário o uso de

bioindicadores de qualidade ambiental são fundamentais para uma correta avaliação dos efeitos dos impactos, assim como poder permitir uma correta mitigação e, até mais desejável, prevenção de futuros impactos. Índices de qualidade de água, estudos de ecotoxicologia ou até mesmo propostas de biomonitoramento são potenciais propostas de estudos que podem permitir atingir tais objetivos. Desta forma, o presente projeto visa atuar no desenvolvimento e aplicação de bioindicadores de qualidade ambiental para os diferentes tipos de ecossistemas

terrestres e marinhos, visando a melhoria na condição ambiental

7.  Abordagens sustentáveis para remediação e tratamento ambiental

8. Gestão, gerenciamento e reaproveitamento de resíduos sólidos

Docentes envolvidosCristina Nakayama, Geórgia Labuto, Juliana Freitas, Mirian Shinzato, Rosangela Costa, Sheila Furquim, Simone Miraglia


As atividades humanas para a produção de bens e serviços resultam na liberação de compostos antropogênicos no ambiente, de forma acidental ou intencional. A acumulação desses compostos em solo, sedimentos, águas superficiais e subterrâneas em concentrações acima das naturalmente encontradas representa riscos potenciais à segurança, saúde pública e aos ecossistemas. Assim, em muitos casos são necessárias ações para remediação de diferentes compartimentos ambientais e tratamentos de efluentes gerados pelas atividades antrópicas. No entanto, as próprias ações de remediação e tratamento causam impactos ambientais decorrentes do consumo de recursos (como energia e insumos), geração de resíduos e emissão de compostos para o ambiente, além de exercerem impactos nas comunidades envolvidas. Apesar disso, os impactos ambientais das ações de remediação e tratamento são muitas vezes desconsiderados no desenvolvimento e seleção de alternativas. Assim, esse projeto tem como meta o desenvolvimento e avaliação de tecnologias e estratégias para remediação e tratamento de corpos d’água subterrâneos e superficiais, solos e sedimentos. As abordagens desenvolvidas serão avaliadas considerando aspectos ambientais, sociais e econômicos, com o objetivo de oferecer alternativas mais sustentáveis para a recuperação do ambiente. Processos físicos, químicos e biológicos poderão ser aplicados de forma isolada, sequencial ou combinados. Para isso, serão realizadas pesquisas em escala de bancada, piloto e campo. As pesquisas serão conduzidas por um grupo interdisciplinar e com envolvimento de outros setores da sociedade, como órgãos públicos e empresas privadas.

Docentes envolvidos: Geórgia Labuto, Giovano Candiani, Juliana Freitas, Maria de Lourdes Moraes, Mirian Shinzato


A crescente geração de resíduos sólidos pela sociedade e as dificuldades de gestão, incluindo aspectos técnicos, como carência de sistemas de tratamento e áreas adequadas para destinação final, aliado a administrações inadequadas e recursos financeiros limitados, produz muitos impactos socioambientais negativos. A questão da gestão dos resíduos sólidos precisa urgentemente ser aperfeiçoada, baseando-se nas boas práticas e medidas sustentáveis. Nesse contexto, o projeto de pesquisa “Gestão, gerenciamento e reaproveitamento de resíduos sólidos” visa estudar e integrar vários aspectos: culturais, sócio-econômicos, ambientais, administrativos e políticos, que abordam a gestão sustentável e integrada dos resíduos sólidos. Os temas abordados incluem a gestão de resíduos sólidos envolvendo a análise do ciclo de vida e produção limpa, avaliação da contaminação do ambiente causada pelo descarte irregular de resíduos, a caracterização tecnológica visando a reutilização dos resíduos e a remediação do meio ambiente. Outras temáticas abordadas incluem concepções mais sustentáveis de tratamento, como: reciclagem, compostagem, biodigestão, reaproveitamento energético e produção mais limpa.